FREDERICO ROCHAFERREIRA
www.sitefilosofico.com
Membro da Oxford Philosophical Society


Albert Einstein


O Insano Costume de Não Ler

ou o crer e o saber

Por Frederico Rochaferreira



Lancio: a busca por respostas é inerente a todos nós, Alina. Muitos buscam respostas para compreender o sentido da vida, outras vezes para confirmar ou refutar determinadas verdades estabelecidas, vindas da incerteza do conhecimento que herdamos das tradições familiares, escolares e sociais, mas, mesmo as pessoas que não puderam alcançar certo grau de escolaridade, demonstram, forçadas por sua natureza, a qualidade da dúvida. É bem verdade que um número incalculável de pessoas, ao redor do mundo, acabam morrendo com suas dúvidas e outras com suas crenças, sem jamais terem qualquer oportunidade do mínimo esclarecimento.

Alina: mas com certeza as pessoas dos países menos desenvolvidos são a grande maioria desse número incalculável.
Não sei se estou sendo egoísta, mas falando da nossa realidade, o sentimento que tenho é de vergonha e repugnância por tantos erros propositais que induzem uma enorme população a permanecer enclausurada na ignorância.

Lancio: de forma alguma estás sendo egoísta. Egoísmo é quando firmamos nossos interesses, desejos e opiniões, em detrimento das demais pessoas e você expressa um sentimento exatamente contrário. Agora, levantas uma questão importante, quando cita os erros propositais. Sem dúvida o ensino público e o segmento formador de opinião são dois setores perversos entre nós, que fixam o homem à ignorância, o primeiro pela má qualidade do ensino, que desperdiça anos preciosos da vida do jovem, enganando-o, sem ensiná-lo e sem educá-lo de verdade e o segundo, pela característica que tem de informar e formar opiniões, não agregam qualquer fim educativo sério às suas programações e dar qualidade às suas programações já significaria parte importante desse fim. Mas o sentimento que você expressa, Alina, não é solitário. A sociedade brasileira propicia a todos que possuam um mínimo de inteligência, sentimento idêntico que passa, não só pelos erros propositais responsáveis pelo alto índice de analfabetismo de fato e funcional da população brasileira, mas também pela conduta antiética disseminada em todas as camadas sociais e tais ações só são possíveis a esse nível, pelo vazio educacional.

Alina: e não é esse vazio que também levam as pessoas à crença?

Lancio: certamente que sim! Porque a busca por respostas é uma sina de todos nós. Em algum momento de nossas vidas, sábios e ignorantes serão forçados, por sua natureza, a essa reflexão, pelo inexorável desejo de saber e compreender, seja sobre a natureza do ser, seja sobre as verdades estabelecidas, que aprendemos crer. Nos espíritos mais cultivados, muitas afirmações passam a ser contestadas pela formação posterior, não sendo aceitas como seguras e verdadeiras. Entre os mais simples, há os que trazem consigo a qualidade da dúvida, porém, impossibilitados de qualquer desenvolvimento intelectual, juntam-se aos que essa qualidade não possuem, e buscam a alternativa da crença. Essa multidão que você vê; quanto a isso, não te preocupes, eles não correm o risco, nem de se sentirem órfãos, nem de se sentirem vazios.